Parnaíba – história, turismo e outras atrações no litoral do Piauí

Localizada a cerca de 335 Km de Teresina, Parnaíba é a segunda maior cidade do estado do Piauí, com uma população em torno de 140 mil habitantes.

Praça da Graça – Parnaíba –
(Foto: Evandro Marques – www.passeios.org)

Com avenidas largas e arborizadas, Parnaíba é um dos principais destinos turísticos do Piauí, graças aos atrativos naturais, arquitetônicos e culturais (como a linda festa de bumba meu boi).
Suas ruas são bem limpas e bem pavimentadas. Muitas das avenidas que cortam a cidade, como a Av. São Sebastião, possuem largas calçadas, ideais para caminhadas no início da manhã ou fim de tarde.

O que fazer e ver em Parnaíba:

Praça da Graça: criada em 1917 e revitalizada em 2017. Linda praça, muito bem arborizada e com lago onde é comum avistar cisnes nadando. Ponto de encontro de muitos jovens e amantes da cultura. Foi na Praça da Graça que em 19 de

outubro de 1822 foi dado o “grito de independência do Brasil na cidade de Parnaíba”.
É nesta praça que se encontra o marco zero de diversas estradas vicinais.

– Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Negros: localizada na Praça da Graça, cuja construção envolveu trabalho escravo.

Catedral Nossa Senhora da Graça: construída em estilo Barroco.

Igreja de São Sebastião – Parnaíba
(Foto: Evandro Marques – www.passeios.org)

Primeira Ermida de Parnaíba: localizada na rua Duque de Caxias, onde a imagem de Nossa Senhora de Mont Serrat ficou até 1712, quando índios Tremembés invadiram a Feitoria. A imagem foi, então, transferida para a cidade de Piracuruca, localizada a 130 Km ao sul de Parnaíba.

Espaço Cultural Porto das Barcas: seu acerco arquitetônico é do século XVII. Local para conhecer a origem de Parnaíba.  Os casarões que se localizam no entorno foram construídos com pedras brutas, casca de ostra e óleo de baleia.

Apreciar (e comprar) produtos de artesanato: o turista encontrará tecelagem em fibras de palmeiras variadas; vasos em cerâmica; esculturas em madeira; doces; licores…

Apreciar a boa culinária: a cidade possui muitos bares e diversos restaurantes, onde é possível degustar a gostosa comida local, à base de frutos do mar e frutas tropicais.

Visita ao cajueiro Humberto de Campos: tombado pelo Patrimônio Histórico de Parnaíba.

Passeio pelo Delta do Parnaíba: único delta em mar aberto das Américas. Há agências que fazem o passeio, situadas no Porto das Barcas.  O embarque é no Porto dos Tatus, em Ilha Grande. O passeio dura, em média, 6 horas.

Passeio Revoada dos Guarás: pelo rio Parnaíba e seus igarapés. Venda de ingressos no Porto das Barcas. Saída

Monumento da águia – Parnaíba
(Foto: Evandro Marques- www.passseios.org)

pelo porto dos Tatus.

 

Apreciar o vasto acervo arquitetônico colonial português: distribuído em uma área de 7.000 m2.

Visita à Lagoa do Portinho: localizada entre Parnaíba e Luís Correia; acesso pela BR-343. Depois de deixar a BR (há placa indicativa), são mais 3 Km em rodovia asfaltada). A lagoa é margeada por dunas (que tomam a pista)  e constituída por água doce.

Merece maior atenção por parte do poder público, pois, encontra-se um pouco abandonada.

Passeio pela Praia Pedra do Sal: bela praia, com estrutura simples. Suas barracas são cobertas com folhas de palmeiras e servem pratos à base de frutos do mar.

 

 

 

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.