Matutu, propício para os amantes do ecoturismo e turismo de aventura

Matutu (foto //patrimoniodomatutu.com.br/acesso/)
Matutu (foto //patrimoniodomatutu.com.br/acesso/)
5 (100%) 2 vote[s]

Matutu, considerado um dos mais belos locais de Minas Gerais, faz divisa com o Parque Estadual da Serra do Papagaio, próximo à pequenina Aiuruoca, considerada pela UNESCO como Zona Núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica.

O local conserva a biodiversidade e recursos naturais intactos, sendo propício para os amantes do ecoturismo e o turismo de aventura. É uma reserva que possui aproximadamente 3.000 hectares.

Como chegar ao Matutu?

Do centro de Aiuruoca até o Vale Matutu são 17 quilômetros por estrada de terra; que normalmente está em boas condições. Ao chegar no vale, os veículos ficam em um estacionamento, localizado na sede e dali se inicia o trecho de caminhada até os locais de hospedagem.

Matutu (foto //patrimoniodomatutu.com.br/acesso/)
Matutu (foto //patrimoniodomatutu.com.br/acesso/)

Atrações do Matutu

A bela atração turística possui inúmeros atrativos naturais  tais como cachoeiras, riachos serpenteiam os gramados e bosques nativos; além das cachoeiras e mirantes, que podem ser visitados em caminhadas fáceis e de curta duração.

As montanhas que rodeiam o Matutu atingem altitudes que variam de 1200 a 2350 m e são coroadas pelos campos rupestres, formação rara e delicada; que abriga uma vegetação rasteira de savana e mirantes deslumbrantes, de onde brotam as águas puríssimas que se derramam para o vale.

As trilhas possuem altitudes que podem ser percorridas em caminhadas de mais longa duração; ou diferentes níveis de dificuldades.

Vale a pena conferir no Matutu

1-Roteiro das cachoeiras

-Cachoeira das Fadas (200 mts/10 minutos do Casarão ou 3km/ 40 minutos do Patrimônio); com delicada beleza, piscina natural, uma queda d´água de 5 m e locais de mergulho;

-Cachoeira do Fundo (4 km/1,5 h do Casarão ou 1,5 km/ 40 minutos do Patrimônio): é a Cabeceira Sagrada do vale, aquela que era venerada pelos indígenas da região. Com aproximadamente 120 m de altura, com várias quedas; além de oferecer uma visão magnífica e imponente de águas brancas e abundantes;

Matutu (foto //patrimoniodomatutu.com.br/acesso/)
Matutu (foto //patrimoniodomatutu.com.br/acesso/)

-Cachoeira do Meio (3 km/40 minutos do Casarão ou 1 km/ 20 minutos do Patrimônio); graciosa queda d´água dentro da mata, a beira da trilha que leva à Cachoeira do Fundo;

-Cachoeira dos Macacos (4 km/ 1h do Casarão ou 6,5 km/ 1,5 h do Patrimônio), possui um conjunto de quedas volumosas e lajes de pedra dentro do Ribeirão da Água Preta oferecem vários pontos de banho. Localizada na Capitinga, a ladeira que sobe para o Matutu, a 300 m da estrada.

2-Roteiro dos picos

Pico do Papagaio (foto //mapio.net/pic/p-1501378/)
Pico do Papagaio (foto //mapio.net/pic/p-1501378/)

Pico da Cabeça do Leão (1 h do Casarão ou 1,5 h do Patrimônio);

Pico do Papagaio (4 h do Casarão ou 4,5 h do Patrimônio).

O Matutu ainda oferece opções de bons restaurantes, bares, spa e o Casarão, que além de ser o Centro de Informação e estacionamento, abriga em seu espaço algumas iniciativas locais; tais como o Café da Roça; que é uma iniciativa das mulheres locais, que oferecem quitandas mineiras assadas no forno à lenha e sucos.

Ao lado do Casarão está a Loja do Paiol, com mostra do artesanato produzido no vale.

No local, os locais de hospedagem já fazem a sugestão de passeios, trilhas e caminhas para explorar a bela região e seus encantos naturais. Vale a pena conferir as dicas de hospedagem na cidade de Aiuruoca.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.