Pantanal mato-grossense, a maior planície alagada do mundo

Pantanal mato-grossense, a maior planície alagada do mundo (foto: https://ecoa.org.br/dados-do-pantanal/)

O Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense é uma área do sudoeste do estado do Mato Grosso, na região de fronteira com Mato Grosso do Sul e Bolívia. Considerada a maior planície alagada do mundo, o Pantanal é uma região onde há grandes alagamentos frequentes, uma vez que a região é banhada por vários rios, como o rio Paraguai e o rio Cuiabá. Possui uma área superior a 220 mil quilômetros quadrados e uma grande fauna, que perde em diversidade somente para a Floresta Amazônica, sendo um dos destinos brasileiros que devem ser visitados pelos amantes da natureza.

Como chegar no Pantanal?

Pantanal (foto: https://ecoa.org.br/estudos-analisam-os-efeitos-dos-agrotoxicos-no-pantanal/)

Para se chegar ao Pantanal, já é uma aventura por si só. Isso porque os acessos à entrada do parque ocorrem preferencialmente de barco, uma vez que se trata de uma planície alagada. Desse modo, pode-se percorrer o Rio Cuiabá por 150 km a partir do final da estrada transpantaneira, ou pode-se subir o Rio Paraguai por 230 km partindo da bela cidade de Corumbá. Ambas as opções são belos passeios. Há também algumas estradas que levam até lá, e que variam conforme a origem do turista.

O que fazer no Pantanal Mato-grossense?

  • Dirigir pela estrada Transpantaneira – inicialmente projetada para ligar Poconé a Corumbá, a estrada foi interrompida em Porto Jofre. Com 2 km asfaltados, 143 km de terra e 120 pontes para complementar o trajeto, a estrada é um verdadeiro Safári no meio do Pantanal. Isso porque as paisagens são sensacionais e, dependendo do horário, o turista pode ver diversos animais, como onças, jacarés, diversas revoadas de pássaros e outros belíssimos representantes da fauna local. Vale lembrar que não há postos de combustível, e os restaurantes são de pousadas que ficam no início da estrada.
  • Focagem noturna – um dos passeios mais procurados, a focagem noturna acontece em jipes que saem à noite para levar os visitantes a diversos animais que possuem hábitos noturnos, como jacarés, alguns lobos, e até mesmo as belíssimas onças-pintadas.

    Jacaré (https://lucasdorioverde.portaldacidade.com/noticias/turismo/chineses-reconhecem-potencial-turistico-do-pantanal-matogrossense)
  • Passear de barco – uma das melhores maneiras para se conhecer a região alagada é de barco, que variam de tamanho e de custo para atender a todos os tipos de visitantes que vão ao parque. Dentre as opções, há chalanas, voadeiras, barcos mais luxuosos e lanchas. Uma das melhores opções é pegar um barco menor com guias moradores da região, pois são mais ágeis em encontrar animais, além de serem opções bem tradicionais para quem busca conhecer a vida pantaneira. Dependendo da duração do passeio e da embarcação, é possível até realizar mergulhos em alguns rios da região.
  • Passear a cavalo – um dos principais meios de transporte dos pantaneiros, os cavalos estão a disposição para a realização de passeios diversos. Vale lembrar que são animais treinados para a realização desses passeios, e que é importante a contratação de um guia.
  • Safári – se você pensava que safári só existia na savana africana, não é bem assim. O Safári fotográfico do Pantanal-matogrossense funciona como o passeio de focagem noturna, só que durante o dia. São jipes adaptados para o transporte de turistas, e que contam com guias. É possível visualizar diversos animais, como capivaras, jacarés, sucuris, tucanos, entre outros.
  • Trilhas – para aqueles que gostam de conhecer o local a pé, essa é a opção ideal, uma vez que permite ao visitante conhecer a pé, com a companhia de um guia, um dos mais belos lugares do mundo.
  • Trem Pantanal – bom, não estamos em Minas Gerais, onde há passeios de Maria fumaça entre diversas cidades, como entre Tiradentes e São João del Rei, mas também temos a opção de andar de trem no Pantanal mato-grossense. Há uma locomotiva que parte de Campo Grande e vai até Miranda, com uma parada em Aquidauana. Esse passeio, além de permitir o turista começar sua viagem ao Pantanal partindo da capital, permite a visualização de diversas regiões do Mato Grosso do Sul e do belo
    Estrada Transpantaneira (foto: http://pousadarioclaro.com.br/)

    parque nacional.

  • Conhecer a cultura local – para quem busca complementar sua viagem com a cultura local, a região Norte do Pantanal é a melhor opção para aspectos culturais, pois há maiores opções de comidas típicas, atrações culturais, folclóricas e de lazer. Vale a pena conhecer a região e sua bela cultura.

No parque não há hotéis, mas há opções em Bonito, Corumbá, Aquidauana, Cáceres e diversas outras cidades da região.

Para aproveitar integralmente o passeio, o turista deve lembrar de ir com sapatos e roupas confortáveis e cobertas; levar água, repelente, chapéu ou boné, óculos de sol, e até mesmo um lanchinho para os mais esfomeados. Lembre-se, todavia, que é um local de natureza preservada. Desse modo, respeite os animais locais e não jogue seu lixo por lá. Aproveite a viagem!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.